Dra Monica Cabral Endocrinologista
Transtornos alimentares - Dra Monica Cabral Endocrinologista

Transtornos alimentares

Foi publicado em 2013 a quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Alimentares (DSM-5) que trouxe mudanças nos critérios diagnósticos dos transtornos alimentares (TA). Uma delas foi a elevação do Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) como categoria diagnóstica oficial, deixando de fazer parte do apêndice. Outra alteração foi a inclusão dos transtornos de alimentação, como os distúrbios de alimentação na primeira infância e em crianças, a Sídrome de PICA, o Transtorno de Ruminação e o Transtorno de Evitação ou Restrição de Ingestão Alimentar na categoria dos TA.

Quem tem maior risco de desenvolver um TA?

Os transtornos alimentares como a anorexia e bulimianervosa são mais comuns entre adolescentes e mulheres jovens e podem estar associados com complicações clínicas severas. Elas estão relacionadas ao estado nutricional e ‘as práticas compensatórias inadequadas para o controle do peso (vômito, uso de diuréticos ,enemas e laxativos). Muitas destas complicações surgem em decorrência do atraso do diagnóstico e do início do tratamento, pois muitos pacientes ;escondem seus sintomas e/ou recusam o tratamento.

Como reconhecer e diferenciar esses transtornos?
TRANSTORNOS ALIMENTARES

ANOREXIA NERVOSA

As características essenciais da Anorexia Nervosa o temor intenso de ganhar peso, a distorção da imagem corporal e a restrição alimentar excessiva.
O paciente apresenta uma distorção da imagem corporal, ou seja, ele não enxerga sua imagem real no espelho e, assim sendo, a recusa alimentar é apenas uma conseqüência dessa distorção da imagem.
A Anorexia Nervosa é então, um transtorno alimentar caracterizado por limitação da ingestão de alimentos, devido à obsessão de magreza e o medo mórbido de ganhar peso.
Normalmente a pessoa anorética mantém um peso corporal abaixo de um nível normal mínimo para sua idade e altura. Quando a Anorexia Nervosa se desenvolve em numa pessoa durante a infância ou início da adolescência, pode haver comprometimento do ganho de massa óssea e outras complicações clínicas como alterações hormonais e cardíacas.

BULIMIA NERVOSA

As características essenciais da Bulimia Nervosa consistem de compulsões periódicas e métodos compensatórios inadequados para evitar ganho de peso. Além disso, a auto-avaliação dos pacientes com Bulimia Nervosa é excessivamente influenciada pela forma e peso do corpo, tal como ocorre na Anorexia Nervosa. Para qualificar o transtorno, a compulsão periódica e os comportamentos compensatórios inadequados devem ocorrer, em média, pelo menos uma vez por semana por 3 meses.
Uma compulsão periódica é definida pela ingestão, num período limitado de tempo, de uma quantidade de alimento definitivamente maior do que a maioria dos pacientes consumiria sob circunstâncias similares.

TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICATRANSTORNOS ALIMENTARES

Atualmente acha-se em estudo uma terceira categoria comum de Transtorno Alimentar; o Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (“Binge Eating Disorder”) na qual os pacientes, na maioria das vezes obesos, apresentam episódios de ataques de comer (episódios bulímicos) associados a uma sensação de perda de controle e/ou culpa mas sem se utilizarem de métodos purgativos depois, como acontece na Bulimia Nervosa.O transtorno do comer compulsivo tem uma prevalência elevada entre as pessoas obesas que procuram tratamento para emagrecer.

As pessoas com este transtorno apresentam freqüentes crises, durante as quais sentem que não podem parar de comer. Comem depressa e às escondidas, ou não deixam de comer o dia todo. Apesar desses pacientes se sentirem culpados e envergonhados por sua falta de controle, eles não apresentam atitudes compensatórias e compulsivas (vômito, laxantes…) típicas dos pacientes com Bulimia. Normalmente eles têm um histórico completo de fracassos em diversas dietas e regimes para emagrecimento. Normalmente são pessoas depressivas e obesas.
Esta compulsão alimentar incontrolável leva os pacientes a ingerir quantidades exageradas de alimentos em um curto espaço de tempo. Estes ataques de comer (binge eating) devem ocorrer com uma freqüência mínima de 1 vez por semana por pelo menos 3 meses para que seja diagnosticada a síndrome. Para o diagnóstico do Transtorno do Comer Compulsivo sugere-se os seguintes critérios: 1 – Episódios repetidos de “binge eating” (ataques de comer) 2 – Durante os episódios, 3 dos indicadores abaixo devem estar presentes:    -Comer muito mais rápido do que o normal    -Comer até se sentir desconfortavelmente empanturrado    -Comer grandes quantidades de comida, mesmo sem fome.    -Comer sozinho, com vergonha da quantidade.    -Sentir-se culpado e/ou deprimido depois do episódio

Síndrome do Comer Noturno (SCN):

É grande a incidência das pessoas que comem muito á noite ou se levantam a comer pela noite. Nessa categoria os pacientes apresentam os ataques de comer já descritos na seção anterior predominantemente ‘a noite. Além dos ataques incontroláveis é comum a presença de insônia e anorexia ou falta de apetite pela manha. A despeito desse “assaltos” noturnos à cozinha, a maioria desses pacientes faz regime durante o dia. Também ocorre em alcoolatras, drogadictos e pessoas com transtornos do sono. Existem tratamentos para os TA que variam desde modificações comportamentais até o uso de medicamentos.
A SCN, a AN atípica, BN subclínica, TCAP subclínico, Transtorno da Purgaçao e outros distúrbios da alimentação não classificados foram incluídos na categoria “Feeding and Eating Conditions Not Elsewhere Classified”)

Qual é o curso dessas doenças?

O curso clínico dos transtornos alimentares é variável.  Aproximadamente metade dos pacientes com anorexia e bulimia nervosa apresentam recuperação total, mas 30 % apresentam recuperação parcial e 20% podem não apresentar melhora substancial dos sintomas.

Qual é o tratamento?

O tratamento é complexo envolvendo orientação nutricional, médica e psicoterápica, diagnóstico das complicações para o tratamento devido e o uso de medicamentos específicos. Muitas vezes é necessário o acompanhamento com vários profissionais, mas acima de tudo é importante ter acompanhamento com profissional com experiência nesse assunto.